fundir
Categories:

Motivos para o motor do carro fundir

O que é motor fundido?

Há alguns verbos que quando aplicados no mundo automotivos causam arrepios nos donos de veículos – e um deles é fundir o motor. Para se ter real dimensão do que seria este problema, o presente artigo explica o que é fundir o motor e como evitar esta dor de cabeça.

Ainda: saiba o que fazer para resolver este problema e quais são os potenciais caminhos. É importante saber que é bom preparar o bolso e acionar o mecânico de sua confiança.

– Carros: Por Que o Motor Funde 

– Veja Quais Sinais Podem Indicar a Fundição do Motor 

– Faça o teste 

– Como Evitar 

– Retificar Motor Fundido é Uma Boa Opção? 

– Quanto custa um motor novo? 

– Motos: Por Que o Motor Funde?

Dica da Zapay: não vacile, amigo motorista – faça a manutenção filtro de combustível regularmente. 

Carros: Por Que o Motor Funde 

Todo dono de veículo automotor deve ter em mente que cuidados são necessários para o bom funcionamento do carro, como revisões e manutenções periódicas. Caso tais cuidados não sejam tomados, problemas podem aparecer, dentre eles dores de cabeça com o motor. Ou seja, é necessário estar atento a cada falha ou funcionamento fora do normal, para que situações mais graves não ocorram.

O motor fundido é um grande problema, pois ele revela que os componentes do motor do veículo atingiram a sua temperatura de fusão. Ou seja, houve um superaquecimento (além do limite), de modo a comprometer definitivamente alguns itens, como anéis, pistão, retentores e válvulas.

Manter o veículo sempre lubrificado, atendendo às exigências do manual do proprietário, é essencial para evitar que o motor fique fundido. A falta de lubrificação, aliás é uma das principais razões para este tipo de problema, pois o óleo tem como função não permitir que o motor atinja uma temperatura muito elevado.

Desse modo, é importante saber se há sujeira no óleo, se este fluido está adulterado ou se existe algum problema na bomba – todas estas opções podem fazer o motor do seu carro não funcionar mais.

Dica da Zapay: a manutenção preventiva é uma das melhores maneiras de garantir que seu veículo tenha um bom funcionamento. Saiba mais sobre esta prática neste conteúdo especial.

Conheça as partes do motor de um automóvel.

Fique a par de alguns dos principais componentes do motor do carro, fundamentais para que o veículo possa funcionar. 

  • Cabeçote: aloja as válvulas de admissão e escape, além de abrigar a câmara de combustão.
  • Bloco do motor: é a estrutura principal do motor, onde os cilindros são localizados e onde ocorre a combustão.
  • Pistões: movem-se dentro dos cilindros, gerando a força necessária para impulsionar o veículo. Eles estão conectados às bielas.
  • Bielas: ligam os pistões ao virabrequim, convertendo o movimento linear em movimento rotativo.
  • Virabrequim: converte o movimento das bielas em movimento rotativo contínuo, transmitindo a potência para o sistema de transmissão.
  • Árvore de cames: controla a abertura e fechamento das válvulas, permitindo a entrada e saída de ar e combustível nos cilindros.
  • Válvulas: regulam o fluxo de ar e combustível nos cilindros. As válvulas de admissão permitem a entrada da mistura ar-combustível, enquanto as válvulas de escape permitem a saída dos gases resultantes da combustão.
  • Sistema de combustível: inclui o tanque de combustível, bomba de combustível, injetores de combustível (ou carburador) e regulador de pressão. Fornece o combustível necessário para a combustão.
  • Sistema de ignição: é responsável por gerar a faísca necessária para a ignição da mistura ar-combustível. Compreende a bobina de ignição, velas de ignição e cabos de ignição.
  • Sistema de lubrificação: fornece óleo para lubrificar as partes móveis do motor, reduzindo o atrito e o desgaste. Inclui a bomba de óleo, filtro de óleo e cárter de óleo.
  • Sistema de arrefecimento: regula a temperatura do motor, evitando o superaquecimento. Compreende radiador, bomba d’água, termostato e mangueiras.

Veja Quais Sinais Podem Indicar a Fundição do Motor 

Quando o motor do seu automóvel está prestes a fundir, o próprio veículo começa a emitir sinais, como ruídos leves, que se assemelham a pequenas batidas entre os componentes. Gradualmente, os sons ficam mais intensos e altos. A recomendação é que, assim que os sons surgirem leves, o carro deve passar por uma avaliação em uma oficina mecânica de confiança. 

Outro sinal é quando o automóvel apresenta dificuldades em dar a partida (ligar). Forçar este movimento pode ser um erro grave, pois as peças já estão danificadas e farão o motor parar de funcionar. Nesta situação, os fios superaquecem, de modo a sair fumaça do motor – mais uma prova de que ele está fundido.    

Todo carro, seja ele novo ou antigo, apresenta o sistema de indicação de temperatura do motor e cabe ao condutor estar sempre atento a esta comunicação no painel. Caso algo esteja errado, haverá o acendimento de uma luz painel do carro.

Desse modo, a qualquer sinal que o veículo emita, é fundamental que o condutor chame um mecânico especializado imediatamente – postergar o problema pode trazer dores de cabeça ainda maiores, além de mais custos.

Dica da Zapay: vai viajar e quer saber ao certo quanto gastará com combustível, amigo motorista? Então, faça uso da calculadora de gasolina, uma ferramenta prática, que lhe ajudará a economizar e se prevenir no percurso. 

Faça o teste 

O amigo condutor pode realizar alguns testes – e evitar passar por apuros ou mesmo que o motor venha a fundir. Um dos métodos utilizados consiste em rodar a polia do virabrequim do motor. Trata-se de uma peça que está bem no centro e, para realizar o movimento, é recomendado remover as velas de ignição. 

Na etapa seguinte, o mecânico ou o condutor deve colocar um soquete no parafuso da polia e girá-lo. Se a polia não se mover, é bastante provável que o motor do veículo esteja já fundido. 

Vale a pena destacar: é fundamental que o carro passe pela avaliação de um mecânico profissional e de confiança, pois ele terá mais condições de avaliar o problema e propor soluções.

fundir o motor
fundir o motor

Como Evitar 

Há alguns cuidados básicos fundamentais, que auxiliam para que o motor do carro não fique fundido. Um deles é abastecer o veículo somente em postos cujos combustíveis são confiáveis. Nunca abra mão de combustíveis de boa procedência, amigo motorista – ou seja, evite produtos adulterados que podem trazer problemas ao motor e a outras peças do carro.

Atente-se também ao líquido de arrefecimento do automóvel, que é essencial para evitar o superaquecimento do motor. Se o motor atingir um nível muito alto de temperatura, o funcionamento será prejudicado – e ele possivelmente irá fundir.

Em média, a temperatura ideal de um motor de automóvel deve ficar em 90ºC, de modo que, para mantê-la, é necessário usar o líquido de arrefecimento entre os níveis mínimo e máximo.

Outro ponto de atenção é a manutenção do óleo do motor, que deve estar em nível adequado – este fluido deve ser trocado periodicamente, afinal é responsável pela lubrificação das peças que compõem o motor. 

O motor ainda deve ser mantido limpo, dentro do possível, e, para tal, há filtros de ar, óleo e combustível. Desse modo, é importante troca-los, segundo a indicação técnica que consta no manual do proprietário do veículo. Afinal, um motor sujo tende a ter problemas de desempenho levando-o a fundir.

Diante de todos estes pontos, é essencial que o carro seja submetido a revisões necessárias periodicamente, com a avaliação de um mecânico profissional capacitado e de confiança.

Retificar Motor Fundido é Uma Boa Opção? 

Uma das formas que podem ser sugeridas para resolver os problemas do motor é retificação. Mas o que seria este processo? É importante destacar que se trata de algo complicado, ao mesmo tempo que delicado, pois o procedimento é realizado reparar as peças danificadas para que o motor e todo seu conjunto voltem a funcionar. Ou seja, não é qualquer profissional que está apto a fazer a retificação do motor.

Neste processo, as bielas e os virabrequins podem ser reparados. Porém, é essencial ter em mente que a retífica não faz somente reparo de peças, pois algumas não podem ser retificadas. Desse modo, retentores e pistões acabam sendo substituídos quando surge problemas e o motor passa pela retificação.

Neste processo, o mecânico especialista aplaina e retira todos os itens defeituosos do motor, assim ele pode verificar a pressão dos cilindros e avaliar se há folgas juntas ou tuchos. 

Com tanta complexidade, é bom estar atento ao valor, que costuma ser mais salgado, devido aos reparos – chegando a até mesmo 40% do calor do próprio veículo. Por isso, é importante avaliar se realmente vale a pena retificar o carro ou comprar um novo motor.

Quanto custa um motor novo? 

Quer permanecer com o veículo mesmo com o motor fundido e avaliou que a retificação não valor a pena por ser muito caro? Então, a saída é investir em um novo motor. 

É importante ter em mente que o motor é uma peça bastante salgada e que um planejamento financeiro para arcar com este investimento será necessário – o valor varia de acordo com o modelo e o ano do automóvel. A depender da situação, o preço do motor novo pode custar até 50% do valor do carro, segundo a Tabela FIPE.

Outro ponto importante a ser considerado, na escolha entre retificação e um motor novo, é a necessidade de regularizar o carro junto ao Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN). Este cuidado se dá devido ao fato de que o DETRAN precisa dar baixa do número de registro do motor fundido e registrar a identificação do novo motor no documento do automóvel.

O valor do motor pode variar bastante no mercado, de acordo com modelo, ano, localização e lojista. Por exemplo, o motor completo e novo de um Volkswagen Fox 1.0 (2014) custa cerca de R$ 7.900. Por sua vez, um novo motor para um Volkswagen Golf 1.0, fabricado entre 2014 e 2017, pode ser encontrado por R$ 33.000.

Vale a pena reforçar de novo: além do investimento num motor condizendo ao seu veículo, o amigo condutor deve contratar os serviços de um mecânico de confiança, bem como de lojas com boas referências para realizar a compra. Este conjunto de cuidados afetam diretamente o bom funcionamento do seu veículo, após a instalação do novo motor. 

Motos: Por Que o Motor Funde?

De acordo com o que já aprendemos neste artigo, quando o motor do carro funde, é dor de cabeça na certa, amigo condutor. Contudo, se você dirige motos, é preciso estar atento também, pois este problema também pode acontecer com veículos automotores de duas rodas.

Os motociclistas devem saber que alguns dos motivos que levam o motor à fundição são os mesmos que os dos automóveis, como o descuido com o nível do óleo no motor. Afinal, o motor das motocicletas também precisa funcionar dentro de temperatura normal e devidamente lubrificado.

Confira a seguir alguns cuidados específicos para motos, que podem ser importantes para a conservação do motor: 

  • Amaciar o motor: no caso de motos zero novas, aconselha-se que os primeiros quilômetros rodados sejam usados para que as peças do veículo se acostumem ao uso que o condutor fará do veículo. Assim, as peças do motor tendem a ficar acomodadas e lubrificadas.  A recomendação é não ultrapassar 50% das rotações onde começa a faixa vermelha da moto nos primeiros 150 quilômetros a serem rodados. Já os 150 quilômetros seguintes, devem ser feitos sem ultrapassar dois terços da faixa vermelha, para, então, estar apto a atingir as rotações máximas. Quando o motociclista ignora tais recomendações, o motor do veículo força demais e as peças se danificam, tendo como consequência o motor fundido. Mesmo após os 300 quilômetros percorridos com a moto, não é indicado pilotar na faixa vermelha por muito tempo.
  • Empinar roda ou fazer zero: este é um gesto que além de perigoso, é imprudente e desrespeitoso com todos no trânsito, além e ser prejudicial ao motor da motocicleta. Executar manobras, como empinar a moto, exigem muito do veículo, mais precisamente, 100% dele. Porém, vale dizer que os fabricantes recomendam, para situações normais de uso, que até 80% da capacidade total da moto seja utilizada. Empinar a moto faz com haja aquecimento do motor, gerando desgaste das peças maior do que o esperado. Além disso, atrair multidões para exibições de manobras pode fazer com o condutor perca a moto. 
  • Cortar giro: este recurso é bastante visto nas vias públicas, porém o limitador de giro tem como função evitar que o moto da moto seja danificado pelo excesso de rotação. Recomenda-se, portanto, que o corte de giros seja usado em raras situações. Quando utilizado em demasia, faz com que o motor tenda a fundir.
  • Fazer a manutenção regular: realize as manutenções programadas conforme indicado pelo fabricante. Isso inclui a troca de óleo, filtro de óleo, velas de ignição e limpeza do filtro de ar.
  • Verificar o nível de óleo: o objetivo é manter o nível de óleo do motor dentro dos limites recomendados. Verifique-o regularmente e faça a reposição quando necessário.
  • Respeite o tempo de aquecimento: permita que o motor aqueça antes de acelerar bruscamente. O óleo precisa atingir a temperatura adequada para lubrificar corretamente as partes internas do motor.
  • Evite sobrecargas: não exceda a capacidade de carga recomendada pelo fabricante. O excesso de peso pode colocar pressão adicional no motor, causando superaquecimento.
  • Evite acelerações bruscas: é fundamental evitar acelerações abruptas após ligar o motor frio. Dê tempo ao motor para que o óleo circule adequadamente antes de exigir um desempenho mais alto.
  • Monitore a temperatura: fique atento ao medidor de temperatura do motor. Se o indicador estiver próximo ao limite superior, pare a motocicleta e deixe-a esfriar antes de continuar a viagem. 
  • Evite sobrecarregar o motor: evite operar a motocicleta por longos períodos em velocidades muito altas ou em marchas baixas. Isso pode sobrecarregar o motor e causar superaquecimento.
  • Mantenha o sistema de arrefecimento em bom estado: verifique regularmente o nível e a condição do líquido de arrefecimento. Certifique-se de que o radiador esteja limpo e sem obstruções para garantir um resfriamento adequado.

 

Avatar image of Alessandra Comitre
Written by

Alessandra Comitre

Jornalista formada há mais de 15 anos, com 12 anos de experiência em produção e criação de conteúdo, edição de texto, e gestão de pessoas. Atualmente atuo como redatora e produtora de conteúdo SEO freelancer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *