vistoria veicular
Categories:

Vistoria Veicular: Como funciona?

A vistoria veicular é um assunto super importante para quem é dono de carro e quem está buscando comprar um carro seminovo. Porém, ele nem sempre é tão charmoso para ser abordado de maneira completa. Mas a Zapay deu um jeito nisso com este conteúdo especial. 

Diferente da inspeção veicular, a vistoria de veículos tem suas particularidades. Muitos motoristas jovens ainda não tiveram a oportunidade de saber como funciona a vistoria veicular ou saber o que é. Então, vamos dar um panorama geral sobre o assunto.

O que é vistoria veicular?

A vistoria veicular é um método que serve para checar especialmente atende dois pontos:  a legalidade e originalidade do automóvel e a sua atual condição mecânica. Ou seja, é um serviço de inspeção que analisa tanto o carro como seus documentos e códigos de série — no caso da placa e do número do chassi.

Com isso, o Governo reduz a frequência de acidentes, pois tem uma comprovação que os veículos supervisionados passaram por uma averiguação de qualidade antes de circular nas ruas. Uma averiguação séria, que envolve a assinatura de um fiscal de trânsito em um laudo, atestando que o automóvel está aprovado para correr pelas estradas e rodovias.

Com a vistoria veicular, o DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito) coíbe duplicatas, fraudes, importações ilegais e outras infrações listadas no código penal, fazendo com que o mercado de usados mais seguro e transparente.

Para que serve a vistoria veicular?

A vistoria veicular serve para comprovar a autenticidade da documentação do automóvel: diz se a sua propriedade é legítima e se ele está em boas condições de funcionamento, seja em relação aos seus aspectos originais quanto aos itens obrigatórios!

Imagine que você quer comprar um carro seminovo. Qual garantia você tem de estar fazendo um bom negócio? Como sabe se o vendedor está falando a verdade?

Para gerar segurança tanto para quem compra como para quem vende, algumas práticas são necessárias. Dentre elas, está a vistoria veicular, cada vez mais comum com o aumento desse tipo de negócio de veículos no Brasil.

Resumindo, a vistoria serve para garantir que o veículo negociado e/ou financiado está pronto para rodar e se não existem problemas ou pendências que causarão dores de cabeças para o comprador. É a melhor maneira de deixar todo mundo tranquilo após fechar o negócio.

Vistoria Reprovada: E agora, o que fazer?

Como muitos detalhes são avaliados, diversas pessoas têm dúvidas sobre o que é inspecionado no veículo e como é o procedimento. Aperte o cinto e estacione devagarinho que a Zapay explica para você todos os detalhes desse importante processo.

Existem diferentes tipos de vistoria veicular?

Assim como para as inspeções, as necessidades de vistoria dependem de seus objetivos, e também são divididas em alguns tipos.

Vistoria prévia

A vistoria prévia é necessária quando você contrata um seguro para o seu veículo ou já o possui, mas pretende trocar de seguradora.

A análise é feita por técnicos habilitados da própria seguradora. O objetivo é avaliar as condições gerais que precisam ser adicionadas na apólice.

Vistoria cautelar

A vistoria cautelar é completa e avalia cada ponto essencial de um veículo. Ela é realizada durante o processo de venda, mesmo que para pessoas físicas.

Para que a transação seja segura, a procedência e o histórico de documentos também fazem parte da vistoria cautelar.

Vistoria em trânsito

Solicitada quando um veículo precisa ser registrado em outro Estado ou município. Ela será realizada na unidade de trânsito onde o veículo será registrado, ainda que em alguns casos, o anúncio de intenção da transferência tenha que ser feita no órgão de registro atual.

Vistoria veicular para transferência

Em alguns estados, a vistoria em trânsito e a vistoria para transferência são conhecidas pelo mesmo tipo de avaliação. Isso porque a vistoria para transferência é solicitada não apenas quando o veículo precisa ser transferido de proprietário, mas também quando a transferência será de município.

O procedimento garante que nada irregular e suspeito seja realizado, como a entrada de veículos ilegais em outros estados, ou que um comprador receba um carro roubado, por exemplo.

Qual o valor da vistoria de um veículo?

Agora vamos falar de dinheiro. Afinal, quanto custa essa vistoria veicular obrigatória? Primeiro, é preciso que o motorista esteja atento ao DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito), de sua respectiva região. Isso porque o valor não é fixo para todo o Brasil, portanto, variações podem ocorrer de Estado para Estado.

Porém, nem tudo é mistério. Existe uma tabela de preços sugerida para que cada Estado se adeque. Por exemplo: no Estado de São Paulo, a média para vistoria veicular para transferência varia entre R$100 e R$200. Por sua vez, a média para o laudo cautelar pode variar entre R$300 e R$500.

Conclusão: o melhor é sempre se informar no DETRAN para que você possa preparar a documentação necessária e separar o valor com antecedência. Fique atento quanto aos valores de sua localidade.

Clique aqui para saber mais sobre o laudo de vistoria veicular e veja nosso artigo sobre o tema.

Quais documentos são necessários para a realização da vistoria?

Para poupar tempo e evitar que a vistoria não seja concluída,

garanta que você tenha todos os documentos necessários:

  • Documentos pessoais como RG e CPF;
  • Comprovante de residência;
  • Certificado de Registro e de Licenciamento do Veículo (CRV) e (CLV);
  • Habilitação de Condutor.

Quais itens são verificados na vistoria de veículos?

Durante o processo de vistoria do veículo, é essencial que o proprietário tenha certeza de que todos os itens de segurança e equipamentos obrigatórios estão 100% em ordem, assim como com os tributos relacionados ao automóvel em dia.

E tem mais: é fundamental conhecer sobre a emissão de poluentes do carro, pois esses itens podem acarretar multas de trânsito em caso de estar fora das regras previstas por lei. De modo geral, o vistoriador não utiliza aparelhos eletrônicos para tal medição.

Mas existem exceções, como é o caso de São Paulo. No estado paulista, a vistoria sempre conta com dois aparelhos de medição: o parquímetro e o medidor de espessura. É importante frisar que a vistoria veicular é diferente da inspeção veicular. Nesse segundo são analisados apenas os aspectos físicos do automóvel. A inspeção é feita por pessoas com conhecimento técnico especializado, que analisam, por meio de equipamentos, itens como a poluição do veículo.

Já na vistoria, é realizada a análise dos itens de segurança e equipamentos obrigatórios do automóvel. Eles são aliados para a segurança do veículo e de seus ocupantes, bem como para a segurança dos condutores de outros carros. Abaixo, vemos os itens que serão avaliados na vistoria.

Faróis e faroletes

Irá ser verificado a integridade dos invólucros e se as luzes estão em ordem. O vistoriador vai checar se estão funcionando:

  • luz de freio;
  • luz de ré;
  • luz de placa;
  • farol alto;
  • farol baixo;
  • setas.

Essa etapa é fundamental, pois indica se a sinalização do veículo está em boas condições.

Espelhos retrovisores

É impossível dirigir com o mínimo de segurança sem estar atento aos retrovisores. Nesse segundo momento, é feito uma avaliação dos dois espelhos retrovisores da parte exterior do veículo e do espelho central interior. Se estiverem nas condições ideiais, a avaliação segue.

Limpadores de para-brisa

A vistoria nos limpadores é uma forma de garantir que o motorista esteja seguro e tenha boa visão nos dias de chuva ou neblina. Caso o vidro embace, são esses leves notáveis que vão resolver o problema. Mas, claro, para que eles consigam exercer tal função, é fundamental que os limpadores sejam trocados com certa frequência.

Itens de segurança

Os itens de segurança são uma das partes mais importantes da vistoria, e, curiosamente, negligenciada por dezenas de motoristas. É a etapa mais delicada e que pode ensejar reprovação imediata. É nesse momento que são verificados dispositivos de segurança, como:

  • cintos de segurança;
  • extintor de incêndio;
  • triângulo;
  • macaco;
  • chave de fenda (ou outra ferramenta para remoção das calotas).

Os itens de segurança deverão estar em pleno funcionamento e em conformidade com as normas. É obrigação do motorista zelar pela integridade dos artigos de segurança do seu carro e manter o extintor de incêndio dentro da validade, além de garantir cintos de segurança em boas condições para todos os ocupantes e as outras peças em perfeito funcionamento.

Pneus

Pneus “carecas”? Nem pensar! O estado de integridade e conservação dos pneus do veículo também é analisado durante a inspeção veicular. Situações como pneus “carecas”, por exemplo, levam a uma reprovação instantânea, pois prejudicam a estabilidade do veículo e a capacidade de frenagem, sendo a causa de acidentes graves. Por esse motivo, todos os pneus devem ser novos ou então ter pouco tempo de uso.

Para ver isso o vistoriador olha com atenção os sulcos e os “cabelinhos” do pneu, presentes em pneus novos e facilmente identificáveis. Os sulcos são medidos por meio do parquímetro. Além disso, há a análise de outro item do pneu chamado TWI (Tread Wear Indicator), que mostra se o pneu está em condições de rodar.

Itens de identificação

Os chamados itens de identificação são a parte em que é avaliada a originalidade do veículo, mostrando que ele é único perante a toda frota do Brasil e do mundo. Esses identificadores o tornam diferente de qualquer outro, ainda que de mesma cor, marca e modelo. Entre os itens que são verificados nesta sessão, estão:

  • número de identificação de chassi;
  • etiquetas do veículo;
  • numeração nos vidros;
  • numeração no motor.

Essa numeração deve estar de acordo com a documentação do automóvel. Caso não esteja, o carro fica sob suspeita de ter passado por algum tipo de fraude.

Buzina

Às vezes, esquecida pelos condutores, a buzina é outra parte que passa pela vistoria veicular. Sabendo disso, para não ser reprovado durante a avaliação, é necessário que a buzina esteja funcionando de forma adequada.

Vidros

O vistoriador também irá analisar o estado dos vidros do veículo. Se houver trincos ou rachaduras, o resultado pode não ser o que o condutor gostaria. Seguindo esse princípio, a película de proteção — conhecida popularmente como Insulfilm — precisa estar de acordo com as regras do CTB. Caso os vidros estejam muito escuros, há o risco do Insulfilm ser retirado de forma definitiva.

Blindagem

Quando o assunto é carro blindado, é importante ficar ligado. Isso porque, para veículos que têm esse tipo de aplicação, a blindagem precisa estar devidamente registrada nos documentos, enquanto sinais de desgaste na aplicação podem reprová-lo.

Suspensão

Fechando a lista, temos a suspensão. A recomendação geral é manter a suspensão original de fábrica e evitar rebaixar o carro. Caso a customização tenha sido feita, tenha a certeza de que a integridade da suspensão foi mantida.

Qual a diferença entre vistoria de carro e de moto?

Não existem muitas diferenças entre a vistoria de carros e de motocicletas. Elas são feitas nos mesmos locais e exigem a apresentação dos mesmos documentos.

Não muda o objetivo: verificar as condições de conservação e manutenção do veículo. O que muda são os itens inspecionados e que devem estar de acordo com a legislação, cuja lista é menor em comparação à dos automóveis. Os itens vistoriados em uma moto são os seguintes:

  • lacre da placa;
  • número do chassi;
  • pintura;
  • funcionamento das luzes de sinalização;
  • numeração do motor.

Qual a diferença entre inspeção veicular e vistoria veicular?

É comum ouvirmos pessoas falando sobre inspeção e a vistoria veicular como o mesmo procedimento, mas eles não são sinônimos.

A vistoria veicular é realizada, principalmente, de modo a garantir as especificações originais do fabricante, como lacres, eixo, numeração dos vidros e pendências legais junto aos órgãos competentes. Tirando a vistoria de número do chassi, que é realizada através de um leitor próprio, as demais checagens são visuais, realizadas por profissionais de um empresa credenciada de vistoria (ECV), reguladas pelo Departamento Estadual de Trânsito, o famoso Detran.

Quando falamos de inspeção veicular, a avaliação é realizada para que se tenha a certeza de que o veículo tem condições de transitar com segurança. Nesse caso, alguns equipamentos podem ser utilizados para testar sistemas de segurança, estrutura física de eixo, entre outros.

Quais são os diferentes tipos de inspeção veicular?

As inspeções veiculares podem variar de acordo com as necessidades. Para isso, são divididas em categorias.

Inspeção técnica veicular (ITV)

A ITV é regulamentada pelo Contran e faz parte de uma das inspeções obrigatórias. Se o veículo é atestado pelo ITV, você garante o seu Certificado de Segurança Veicular (CSV). Com ele, seu veículo está apto a circular livremente, mas não esqueça que antes ele deve ser apresentado ao Detran para emissão do seu Certificado de Registro do Veículo (CRV).

Aqui estão alguns dos procedimentos considerados para o ITV:

– Checagem dos itens obrigatórios com cintos de segurança e extintores de incêndio;

– Sistemas de eixos, freios, suspensão e direção;

– Pneus e rodas;

– Sistemas de alimentação de combustível e elétrico.

Inspeção ambiental

O órgão responsável por esta regulamentação é o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), e seu objetivo é avaliar a emissão de ruído e poluentes.

A obrigatoriedade da inspeção ainda é instável, mas órgãos como o Ibama, possuem programas de incentivo à regulamentação prática da inspeção ambiental, principalmente devido ao número de mortes causadas por problemas respiratórios no país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *