radiador
Categories:

Radiador do carro: Tudo o que você precisa saber sobre ele

Mas, afinal, qual é a importância do radiador do carro? Para responder a esta e outras questões, a Zapay preparou este conteúdo temático, com dicas para o melhor funcionamento dos radiadores de diferentes veículos.

Uma dica: atente-se sempre ao fluido de radiador, pois este líquido é fundamental para o melhor desempenho deste componente.  

– Importância do radiador no sistema de resfriamento do veículo 

– Como funciona o radiador e sua função principal 

– Principais problemas e sinais de mau funcionamento do radiador 

– Manutenção preventiva: dicas para preservar a vida útil do radiador 

– Substituição do radiador: quando é necessário e como proceder

Dica da Zapay: saiba como funciona a vela de ignição do seu veículo automotor. 

Importância do radiador no sistema de resfriamento do veículo 

O radiador é um componente fundamental, afinal, ele faz parte do sistema de arrefecimento do veículo, sendo responsável pela troca de calor entre a água e o outro líquido de refrigeração. Desse modo, seu objetivo principal é dissipar a maior parte do calor que é gerado durante o processo de combustão do carro.

O radiador apresenta tubos de ventilação, que auxiliam no movimento de ar e, consequentemente, na transferência de calor entre a água e a outra substância líquida. Neste processo, a passagem de ar ajuda a resfriar o calor do líquido de arrefecimento, de modo a diminuir o calor interno do automóvel.

Assim, cabe ao sistema de arrefecimento de um carro regular a temperatura do motor, evitando, assim, o superaquecimento.

Confira quais são os componentes que forma o sistema de arrefecimento de um automóvel

  1. Radiador: componente essencial do sistema de arrefecimento, responsável por dissipar o calor do líquido de arrefecimento, transferindo-o para o ar ambiente. O radiador possui uma série de aletas e tubos pelos quais o líquido de arrefecimento passa, permitindo a troca de calor.
  2. Bomba de água: é responsável por circular o líquido de arrefecimento pelo sistema. Ela é acionada pelo motor e força o líquido a circular entre o motor e o radiador. A bomba de água é geralmente acionada por uma correia e possui um impulsor interno, que cria o fluxo de líquido.
  3. Termostato: trata-se de um dispositivo que regula a temperatura do líquido de arrefecimento. Ele controla a abertura e o fechamento de uma válvula, de modo a permitir que o líquido flua para o radiador quando a temperatura do motor está alta e bloqueie o fluxo quando a temperatura está baixa, ajudando o motor a atingir a temperatura ideal de funcionamento mais rapidamente.
  4. Ventoinha: é usada para resfriar o líquido de arrefecimento quando o veículo está parado ou a uma velocidade baixa, quando o fluxo de ar natural não é suficiente. É acionada por um motor elétrico ou mecânico, sendo ativada automaticamente quando a temperatura do motor atinge um certo ponto.
  5. Reservatório de expansão: também conhecido como vaso de expansão, é um recipiente que armazena o excesso de líquido de arrefecimento quando ele se expande, devido ao aumento da temperatura. Ele também fornece um local para adicionar ou remover líquido de arrefecimento conforme necessário.
  6. Mangueiras e tubos: o sistema de arrefecimento é conectado por mangueiras e tubos que transportam o líquido de arrefecimento entre as diferentes partes deste sistema, como o motor, o radiador e o reservatório de expansão.
  7. Tampa do radiador: é responsável por manter a pressão adequada no sistema de arrefecimento. Ela possui uma válvula de alívio de pressão que permite que o excesso de pressão seja liberado para o reservatório de expansão.

É importante ressaltar que, além dessas partes principais, o sistema de arrefecimento ainda inclui outros componentes, como sensores de temperatura, juntas, abraçadeiras e fluido de arrefecimento (geralmente, uma mistura de água e aditivo).

Dica da Zapay: conheça as consequências advindas do uso severo do carro e evite problemas.

Como funciona o radiador e sua função principal 

Tenha em mente, amigo condutor: o radiador funciona como um sistema de troca de calor, no qual é ele o responsável pelo processo de troca entre o ar e outra substância (um composto líquido), presente no sistema fechado. O núcleo de um radiador é formado por vários canais, que são compostos por tubos de ventilação – esta anatomia ajuda tanto na passagem de ar quanto na transferência de calor. 

É a partir dos tubos que ocorre a passagem de ar que resfria o calor do líquido de arrefecimento. Esta etapa permite que aconteça a diminuição na temperatura interna do automóvel. 

Você pode estar se perguntando: mas como acontece o processo de resfriamento? É simples: conforme há aumento no calor do motor do carro, o termostato (que está posicionado próximo ao motor) se abre ao atingir determinada temperatura. Isso possibilita que o líquido de refrigeração passe a realize o processo de troca de calor.  

Assim, o calor do motor é transferido para a água e é por isso que há a diminuição da temperatura do motor. Vale dizer que, para que todo o processo ocorra, o radiador deve realizar suas três diferentes funções:

  1. Entrada de ar.
  2. Resfriamento do sistema.
  3. Saída do ar quente.

Assim, por intermédio da combinação entre líquido e ar, é possível que haja a liberação de calor, que, por sua vez, é gerado durante o processo de queima do combustível. Para tornar o procedimento eficiente, há um ventilador, que é encaixado entre o motor e o radiador, para acelerar o processo de resfriamento. 

Desse modo, o líquido de refrigeração realiza a circulação entre o sistema do radiador e o motor do veículo. Ele se espalha entre os cilindros, assim, captando o calor do motor e, depois, retornará ao sistema de arrefecimento. Por isso que tal processo é fundamental para o bom funcionamento do carro.

Fique atento, amigo condutor: caso o radiador pare de funcionar, o automóvel correrá o risco de superaquecer – ação que pode trazer problemas mais graves. No geral, o superaquecimento ocorre devido ao mau funcionamento no termostato – mais precisamente, no local onde a peça se fecha e não abre ao atingir a temperatura limite. A consequência: ocorre o impedimento da circulação do líquido de arrefecimento e o calor em demasia. 

Os vazamentos são mais um ponto que os proprietários de veículos devem estar atentos, quando o assunto é sistema de arrefecimento. Afinal, eles atrapalham a circulação do líquido. 

Dica da Zapay: fique por dentro sobre como funciona a direção hidráulica.

fluido do radiador

Principais problemas e sinais de mau funcionamento do radiador 

Confira alguns dos principais problemas que podem acontecer no radiador do automóvel e afetar seu funcionamento:

  1. Vazamento de líquido de arrefecimento: este é um dos sinais mais comuns quando o assunto são problemas no radiador. Se o condutor notar manchas ou poças de líquido sob o veículo, é provável que haja um vazamento no radiador. Isso pode ser causado por danos no radiador, juntas defeituosas, mangueiras rachadas ou abraçadeiras soltas.
  2. Superaquecimento do motor: caso o radiador não esteja funcionando adequadamente, a capacidade de resfriamento do sistema será comprometida. Isso pode levar ao superaquecimento do motor, que é indicado por uma luz de advertência no painel de instrumentos ou pelo indicador de temperatura subindo para níveis perigosamente altos. Se o motorista perceber que o motor está superaquecendo, é importante parar o veículo imediatamente e procurar assistência mecânica. 
  3. Fluido de arrefecimento sujo ou contaminado: um radiador com mau funcionamento pode resultar em um acúmulo de sujeira, detritos ou resíduos dentro do sistema de arrefecimento. Tais impurezas podem levar a um fluido de arrefecimento sujo ou contaminado, que, por sua vez, pode se manifestar como uma cor turva ou uma textura estranha do líquido. Desse modo, é fundamental verificar regularmente o estado do fluido de arrefecimento, para auxiliar a identificar problemas no radiador.
  4. Obstrução nas aletas do radiador: vale reforçar que o radiador possui aletas, que ajudam na dissipação de calor. Assim postos, se essas aletas estiverem obstruídas por sujeira, insetos ou detritos, o fluxo de ar pode ser bloqueado, de modo a reduzir a eficiência do resfriamento. A consequência é um possível superaquecimento do motor. A dica é: verifique visualmente se há obstruções nas aletas do radiador, amigo motorista.
  5. Perda de pressão: o mau funcionamento no radiador pode resultar em perda de pressão no sistema de arrefecimento, um problema que pode ser causado por uma tampa do radiador defeituosa ou com vazamento, que não manterá a pressão adequada. Desse modo, a perda de pressão pode levar a um ponto de ebulição mais baixo do líquido de arrefecimento, aumentando o risco de superaquecimento.

Vale sempre reforçar que, caso o condutor suspeite de um problema no radiador, a recomendação é sempre procurar um mecânico especializado e de confiança para realizar uma inspeção e reparo adequados. 

A manutenção preventiva regular e a verificação do sistema de arrefecimento podem ajudar a identificar e solucionar problemas do radiador antes que eles se tornem mais graves – o que pesará menos no bolso do motorista.

Manutenção preventiva: dicas para preservar a vida útil do radiador 

Estar sempre atento ao funcionamento do veículo é uma obrigação de todo proprietário e de todo motorista. E, neste processo de cuidado, há certas medidas de manutenção preventiva que podem ajudar a preservar a vida útil do radiador, de modo a garantir o bom funcionamento do sistema de arrefecimento do automóvel. 

A seguir, conheça algumas dicas importantes para auxiliar na preservação da vida útil deste componente. 

  1. Verificar regularmente o nível do líquido de arrefecimento com o veículo frio e estacionado em um terreno nivelado. Se necessário, adicionar líquido de arrefecimento apropriado para manter o nível adequado. Certifique-se de seguir as recomendações do fabricante quanto ao tipo de líquido de arrefecimento a ser usado. 
  2. Manter o sistema de arrefecimento limpo. Para tal é necessário verificar periodicamente se há sujeira, detritos ou obstruções nas aletas do radiador. Use uma mangueira de água de baixa pressão para enxaguar suavemente o radiador e remover qualquer sujeira acumulada. Dica: evite usar alta pressão, pois isso pode danificar as aletas.
  3. Avaliar as mangueiras e abraçadeiras. Para tal, é necessário inspecionar visualmente as mangueiras do sistema de arrefecimento, em busca de rachaduras, desgaste ou vazamentos. Observe se as abraçadeiras estão apertadas e em bom estado. Atenção: substitua qualquer mangueira ou abraçadeira danificada ou desgastada.
  4. Limpar o reservatório de expansão. Para este cuidado, é necessário verificar o reservatório de expansão regularmente e limpá-lo, caso haja acúmulo de sujeira ou resíduos. Certifique-se de que o reservatório esteja adequadamente fixado e que a tampa esteja em boas condições.
  5. Substituir a tampa do radiador conforme recomendado. Vale ressaltar que a tampa do radiador desempenha um papel importante na manutenção da pressão adequada no sistema de arrefecimento. Não se esqueça: é necessário seguir as recomendações do fabricante em relação à substituição periódica da tampa do radiador.
  6. Evitar inserir líquido de arrefecimento com o motor quente. Ao adicionar líquido de arrefecimento, espere até que o motor esteja frio para evitar o risco de queimaduras causadas pela pressão e pelo vapor do sistema de arrefecimento. Segurança sempre em primeiro lugar!
  7. Realizar a manutenção recomendada, segundo o manual do fabricante. O proprietário do veículo deve seguir o programa de manutenção recomendado pelo fabricante, que pode incluir troca regular do líquido de arrefecimento, inspeção de componentes e verificação do sistema de arrefecimento em intervalos específicos. 

Substituição do radiador: quando é necessário e como proceder

Os cuidados que o condutor terá com seu veículo têm impacto também na vida útil do radiador, peça que pode durar até cerca de 10 anos. Há algumas situações que podem requerer essa substituição. Tais como:

  1. Vazamento de líquido de arrefecimento.  
  2. Danos físicos. 
  3. Obstruções severas, devido a sujeira, detritos ou corrosão. 
  4. Falhas internas, como vazamentos ou danos nas tubulações internas.

Caso seja necessário substituir o radiador do seu carro, é recomendado seguir as seguintes etapas:

  1. Consultar o manual do proprietário para obter informações específicas sobre a substituição do radiador e os procedimentos recomendados pelo fabricante.
  2. Drenar o líquido de arrefecimento do sistema antes de remover o radiador. Normalmente, há um dreno no radiador ou no bloco do motor para permitir a drenagem adequada.
  3. Desconectar as mangueiras e os conectores. Isso pode incluir mangueiras superiores e inferiores, linhas de transmissão, sensores, ventoinhas, entre outros. Dica: marque ou tire fotos para se lembrar das conexões corretas durante a reinstalação.
  4. Remova o radiador antigo. Para tal, desparafuse os suportes de montagem do radiador e remova-o cuidadosamente do compartimento do motor. Tenha cuidado para não danificar outras partes do sistema de arrefecimento ou outras peças ao remover o radiador.
  5. Instale o novo radiador. Coloque o novo radiador no local adequado, fixe-o corretamente e reconecte mangueiras, conectores e componentes.
  6. Finalmente, preencha com líquido de arrefecimento recomendado pelo fabricante. Siga as instruções adequadas.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *